Quando eu vou a feiras literárias, sempre ouço educadores, pais e mães falarem sobre como é importante incentivar a leitura entre os jovens. Mas, nem sempre há espaço para isso, seja na escola ou até mesmo dentro de casa. Afinal, ninguém nasce sabendo. Então, se a criança não é inserida no meio literário desde cedo, dificilmente vai se interessar por ele quando adulta. Logo, ambientes como a feira literária escolar precisam ser cada vez mais fomentados. Semelhantemente, a contação de histórias dentro de casa, com os pais.

É dessa forma que conseguimos formar cada vez mais leitores. Primeiramente, introduzindo algo atrativo, histórias envolventes e de fácil compreensão. Em seguida, quando o leitor estiver mais maduro, podemos ir avançando em temáticas e em complexidade de projeto literário.

Nesse sentido, falando primeiramente da escola, o investimento em letramento, ou seja, na imersão do universo literário, é essencial para crianças, adolescentes e jovens a fim de mantê-los no caminho da leitura. Para isso, criar feiras literárias na escola de tempos em tempo é uma das formas propiciar esse ambiente literário.

Dessa maneira, nesse post você verá por que manter um projeto de feira literária escolar numa instituição, como viabilizar esse tipo de evento na escola e exemplo de feiras literárias bem-sucedidas. Leia a seguir e confira!

Por que fazer uma feira literária escolar periodicamente

Sempre ouvimos nas escolas o quanto os livros são preciosos. Como que a leitura é uma atividade importante e tal. Só que isso não pode ficar apenas na teoria!

Contudo, o conhecimento transmitido em sala de aula precisa de um toque da realidade, um contato próximo com o mundo real, a fim de proporcionar vivência do conteúdo e maior aprendizado ao aluno. Afinal, apenas indicar livros e dizer que é necessário ler, não é o suficiente para convencer os alunos.

De acordo com uma matéria publicada pela Universia Brasil, os jovens anseiam por formas de aprendizagem com significado. Ou seja, eles querem perceber o valor real dos momentos gastos na educação. Logo, é fundamental aplicar uma nova maneira de ensinar. De modo a mostrar a essa geração, desde o início, a aplicação prática dos estudos.

No caso dos livros, é necessário ir além do material didático e paradidático para alcançar os anseios dessa garotada. Nesse sentido, a feira literária escolar é capaz de trazer essa dose de realidade que os jovens tanto desejam. Pois, dá vida ao que é conversado em sala da aula. É também uma novidade, uma oportunidade de interagir com os colegas, bem como ter contato com outras obras que não estão inseridas no cronograma pedagógico.

Assim, as chances de despertar o interesse e a atenção desses alunos é certamente maior do que se a escola se manter um cronograma mais rígido e demasiadamente tradicional.

Como deve ser uma feira literária escolar

Além do livro em papel, bem como produções clássicas e tradicionais, é fundamental também aliar os adventos da tecnologia. Pois, os jovens estão cada vez mais conectados em mídias sociais, além de plataformas de vídeo e, logo, a escola precisa se adequar a essa nova forma de pensar dos jovens. A saber, eles conseguem fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo, conectando todas as informações simultaneamente: ler, ver um vídeo, ouvir uma música, etc.

Portanto, uma feira literária deve ter, sim, muitas estantes e mesinhas cheias de livros físicos. Mas também outros tipos de produções, como e-books (livros digitais), histórias incrementadas com tecnologia de realidade virtual, audiobooks (livros em áudio), etc.

Além disso, também pense em trazer para o evento os produtores desses conteúdos. Sobretudo, os escritores. Afinal, muitos jovens tem em mente apenas aqueles grandes escritores consagrados, mas que já não estão mais entre nós. Dessa forma, a produção literária parece a esses jovens distante e inacessível.

Por outro lado, o contato com escritores jovens, novos no mercado e com obras diferentes das estudas no cronograma da escola, mostra que a produção literária continua viva no país. Assim, há o incentivo tanto da leitura quanto da escrita.

Então, não privilegie apenas obras consagradas e clássicas. Traga para sua feira literária escolar novos autores e seus livros, mostrando aos jovens o quanto o mundo dos livros é vasto e diversificado.

Conheça os Livros da Autora Dani Ferreira

O que é uma feira literária interessante

Não existe fórmula mágica para o sucesso. Acima de tudo, o importante é demonstrar aos alunos como ler um livro de forma prática. Em suma, uma feira literária escolar dever ser:

  • Dinâmica;
  • Eclética e diversificada;
  • Aberta a novas publicações;
  • Aberta a novas tecnologias somadas aos livros físicos;
  • Dotada de inclusão;
  • Frequente, realizada pelo menos uma vez ao ano.

Por exemplo, o colégio Alfa CEM Bilíngue, no Rio de Janeiro, realiza anualmente a FLICA, sua feira literária. Durante o evento, os alunos apresentam seus projetos culturais, envolvendo além de livros, produções audiovisuais e teatrais.

Na edição de 2019, acontecida no dia 24 de Abril, eu estive presente na feira e tive um momento de bate-papo muito legal com os alunos. Conversamos sobre a produção literária feita por jovens e para jovens. Assim, interagimos de forma bem espontânea e dinâmica com a garotada. Foi bem legal e o feedback dos pais mostrou que este é mesmo o caminho para incentivar tanto a leitura quanto a escrita dentro do ambiente escolar.

Portanto, vemos como é importante não “engessar” as instituições de ensino somente no programa de livros paradidáticos. Os jovens pensam de forma mais dinâmica e anseiam por novas formas de aprendizado, capazes de mostrar o conhecimento de maneira prática. Assim, é possível incentivar de fato a leitura no ambiente escolar.

Então, se você gostou do post, compartilhe este conteúdo com seus colegas, com educadores pais e mães. Vamos juntos incentivar mais leitura nesse país!