Muitos autores iniciantes (que é o meu caso :)), se preocupam com a edição e posterior publicação de seu livro. O momento em que finalizamos o texto e começamos a imaginar a capa, a diagramação, a ilustração perfeita. Mas então, surgem as perguntas: qual o primeiro passo, por onde devo começar, o que é dispensável, quanto custa…

Bem, o meu conselho, de alguém que acabou de passar por toda essa montanha-russa de emoções, é: aproveite o momento e divirta-se! A produção independente não é um bicho de sete cabeças. É algo trabalhoso sim, mas totalmente possível.

Entendam, este post não é um tutorial de como realizar a produção independente de um livro. Desejo apenas compartilhar por aqui um pouco da experiência que tive durante a produção do meu primeiro livro, além de incentivá-lo a não desistir do seu :).

O que me ajudou bastante foi pesquisar muito sobre o assunto. A internet está aí para te ajudar! Use e abuse do poder da tecnologia! Suas pesquisas podem esclarecer a maioria de suas dúvidas, mas, na minha opinião, o que faz diferença mesmo, são os conselhos de profissionais da área. Procure conversar com editores, diagramadores, ilustradores, vendedores, e faça perguntas, por mais bobas que elas possam parecer. O importante é você coletar o máximo de informação possível, até entender, pelo menos basicamente, todo o  processo de produção de um livro.

Coisas indispensáveis:

Sim, é preciso traçar metas e determinar o que é dispensável e indispensável para seu livro. É muito importante pensar em um orçamento máximo, e a partir daí pesquisar os melhores preços dos serviços a serem contratados.

Em se tratando de coisas indispensáveis, em minha opinião, acho que o básico para a produção de um livro é:

1) A revisão: Aqui, muito autores já começam a ter muitas dúvidas. Por exemplo: escrevo muito bem, meu livro precisa mesmo ser revisado por outra pessoa? Sim! Este é o básico do básico para a produção de um bom livro. Mesmo que você escreva muito bem, é importante o olhar técnico de um profissional, pois é ele que vai enxergar alguns errinhos que você como autor não está vendo. Que tipo de revisão é fundamental para meu livro? Bem, pelo o que eu venho aprendendo, existem vários tipos de revisão, e revisar nunca é demais! Com certeza, você irá precisar de pelo menos uma revisão, que é a revisão ortográfica, que é, resumidamente, para adequar seu texto aos padrões da linguagem. Mas, dependendo de seu orçamento, seria bom fazer uma segunda revisão, com um profissional diferente da primeira revisão, pois, às vezes, o primeiro pode deixar passar algum errinho. Existe também a revisão crítica, que é, basicamente, uma leitura de um profissional que irá analisar seu texto de acordo com o mercado, visando principalmente o público alvo. Além disso, é muito bom revisar o texto depois de diagramado com um profissional diferente que fez as demais revisões, para conferir se houve algum errinho durante a diagramação, e evitar palavras “comidas”. Mas, como estamos falando de coisas indispensáveis, um bom livro precisa mesmo de pelo menos uma revisão.

2) A Diagramação: É nesta parte que será formado o visual do miolo de seu livro. Os estilo de paginação, o tipo e tamanho de letra, espaçamento, margem, enfim, tudo que compõe o design do miolo. Minha dica é: participe! Dê sugestões e referências para seu diagramador, esteja sempre disponível para responder dúvidas, e não deixe de fazer perguntas. A maioria dos profissionais ligados à produção de livros (pelo menos os que conheci kkkk) são prestativos, criativos, e abertos à novas discussões.

3) A Capa: Sua capa é uma foto ou uma ilustração? É muito importante definir isso antes mesmo de começar a revisá-lo! Se você precisa de uma ilustração para sua capa (que foi o meu caso), comece a contactar o ilustrador pelo menos um mês antes da sua data alvo para enviar o livro para a gráfica. Isso, porque é bom ter um tempo para fazer testes, avaliar cores, cenas, e deixar o profissional mais solto para lhe apresentar várias provas, e assim, você decidir aquilo que melhor representa seu livro. Mas, adivinha: depois da ilustração, minha capa está pronta, não está? Não! Após a finalização da ilustração, você vai precisar “enquadrar” o desenho na capa, e isso é o trabalho do capista. Se sua capa é uma foto ou uma imagem, você vai direto para o capista, que irá fazer o design de sua capa.

4) Os Direitos Autorais: Depois do livro pronto, acredito que será de seu interesse adquirir os direitos autorais de sua obra. O prazo para o registro de direitos autorais varia de 30 à 90 dias úteis. Então, se você está com pressa para publicar sua obra, pense no que é mais importante: garantir primeiro seus direitos autorais ou publicar seu livro. Não é “obrigatório” o registro de direitos autorias antes de publicar sua obra. Alguns autores só fazem o registro depois de publicar o livro. Mas, é algo importante de ser feito, seja antes ou depois da publicação. O ideal é que seja antes mesmo. Saiba mais sobre Registro de Direitos Autorais.

5) O ISBN: Este é o número do código de barras que vai na parte de trás da capa do livro. Você precisa deste código para ter permissão para comercializar seu livro em livrarias e demais lojas. Quando estamos falando de produção independente, o próprio autor pode ser o editor. Saiba mais sobre o ISBN.

6) A impressão ( se seu livro é em papel e não digital): Obviamente, é nesta fase que seu livro se tornará de fato um livro, um produto a ser adquirido por seus leitores. Minha primeira dica é: pesquise muito antes de fechar com a gráfica. Procure pelos melhores preços, sem perder a qualidade. Minhas outras dicas são mais como leitora do que como autora: capriche o máximo possível, coloque duas orelhas na capa, folha amarela, essas coisas.

Coisa dispensáveis:

Para quem está com o orçamento apertado, eis alguns exemplos de coisas dispensáveis: ilustrações de capítulos ou algo assim (além de gastar mais em ilustração, você também irá gastar mais na diagramação, já que o diagramador terá mais trabalho para editar as imagens dentro do livro), revisão crítica (embora seja importante, para quem está sem muito investimento, pode ser dispensável em uma primeira edição), formato grande (a impressão do formato médio – 14×21 – fica mais barata), e coisas assim.

Resumidamente, foi isso que eu aprendi na minha empreitada de uma produção independente. Mas, a maior dica, talvez, que eu tenho para dar é: faça parcerias. Mesmo em uma produção independente, você precisará de pessoas capazes de te auxiliar nas muitas tarefas que compõe a produção editorial. Além de contratar os devidos profissionais, você precisará coordenar as tarefas, e às vezes, fazer tudo sozinho fica quase impossível. Ainda tem a questão de que, publicar um livro, principalmente o seu, é extremamente emocionante, tanto pelo estresse, tensão, ansiedade, como pela alegria, satisfação e a eventual mistura de tudo isso. Você vai precisar de ajuda!

Mas, como eu disse no início deste post (que acabou ficando mais longo do que eu imaginava… kkkkk), aproveite e divirta-se, pois produzir algo que ficou e está em sua mente durante tanto tempo é realmente muito satisfatório. Ver os resultados finais é certamente revigorante. Não desista! Vale apena escrever e publicar sua obra.